Termalismo e natureza oferecem oportunidades ao mundo rural, conclui o Projecto Raia Termal

“Isto será conseguido através da partilha de uma estratégia turística única e comum sob o lema, Raia Termal: um destino em dois países”. Esta é uma das principais conclusões destacadas pela Autoridade da Bacia Hidrográfica do Rio Miño-Sil do dia de encerramento do projecto POCTEP Raia Termal, realizado esta sexta-feira no município português de Melgaço. O dia terminou com uma avaliação positiva da cooperação transfronteiriça, com as partes envolvidas concordando que as potencialidades térmicas e naturais do território “proporcionam ao mundo rural oportunidades”, diz o presidente do CHMS-S. Segundo José Antonio Quiroga, “é importante destacar o valor social e económico do sector térmico e tornar visível a importância da actividade económica que este gera”.

O evento, que foi organizado pelo presidente da Câmara Municipal de Melgaço, Manoel Batista, contou também com a presença do presidente da Diputación de Ourense, Manuel Baltar, que afirmou que “a resposta ao bem-estar que perseguimos neste período pós-pandémico está no termalismo como conceito de saúde, que é o bem mais precioso que temos”, demonstrando com os resultados deste projecto “que sabemos trabalhar em conjunto e valorizar o território, num momento de novas oportunidades económicas através de fundos europeus, mas que não são nada se não houver capacidade para formular iniciativas como esta”.

No evento, o director do projecto, Manuel Sarria, explicou-o detalhando cada uma das acções que foram desenvolvidas, e aludiu à recuperação de zonas fluviais afectadas por águas residuais em ambientes térmicos, obras que foram realizadas em Os Baños de Riocaldo, em Lobios, e no Regato de A Pousa, em Muiños. No que diz respeito a Ourense, referiu-se a acções destinadas a proteger e valorizar as zonas naturais que complementam a oferta de lazer associada ao turismo termal transfronteiriço, incluindo a zona de autocaravanas em Bande, a sinalização da Rota Termal de Cortegada, a construção de uma barragem amovível, uma passagem pedonal no rio Caldo e a ciclovia em Lobios e o caminho para Illa de Pazós em Muiños. Quanto à gestão e promoção conjuntas do destino, Manuel Sarria explicou a concepção de vários produtos turísticos que combinam os diferentes recursos e serviços do território transfronteiriço como um reforço da oferta actual.

Fonte: Ourense Dixital